3 de fev de 2012

AR (003) – VENTOS

O ar presente em nosso planeta - por ação de fatores como pressão e temperatura – é capaz de se deslocar vertical e horizontalmente, formando uma espécie de ciclo de movimentos.
O início deste ciclo, geralmente, se dá por uma corrente ascendente, que corresponde a uma massa de ar aquecida pela radiação solar que, por diminuição de densidade, tende a subir para áreas mais altas da atmosfera.
O espaço deixado pela massa de ar quente da corrente ascendente é ocupado por ar mais frio, que encontra-se em maiores altitudes.
O deslocamento do ar com menor temperatura é conhecido como corrente descendente.
A ocupação deste espaço deixado pelo ar quente é o que gera o vento.
Esse fenômeno é influenciado pela expansividade do ar.


Como o ar sempre se movimenta da área de maior pressão (chegada da corrente descendente) para a área de menor pressão (subida da corrente ascendente), conclui-se que os ventos sempre seguem a direção da região mais fria para a região mais quente.
Podemos observar com clareza tal fenômenos nas regiões litorâneas.
No período diurno o sol fornece calor tanto para a água quanto para o solo, porém o aquecimento do primeiro é lento enquanto o do segundo é rápido.
Com tal diferença de temperatura sentimos facilmente o vento deslocando-se do oceano para o continente.
Com a chegada da noite e a interrupção do fornecimento da radiação solar o solo esfria-se rapidamente, porém a água perde calor com velocidade reduzida.
Como resultado, no período noturno, os ventos deslocam-se do continente para o oceano.
A intensidade dos ventos é dada pela diferença de temperatura entre a região de baixa pressão atmosférica e a região de alta pressão atmosférica. Quanto maior esta diferença, mais rápida é a movimentação das correntes ascendentes e descendentes, ou seja, mais forte é o vento.

Dúvidas e sugestões: professorthiagorenno@gmail.com

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário