25 de ago de 2011

CITOLOGIA (009) - LISOSSOMOS

Quando falamos, por exemplo, do metabolismo da glicose, estamos nos referindo às moléculas que entraram em nosso organismo como poli ou dissacarídeos, sofreram ações das enzimas digestivas, foram absorvidas em nível intestinal e, por fim, levadas às células através do sangue.
Mas o que ocorre quando uma macromolécula ou uma estrutura mais complexa entra em nossas células através da fagocitose?
Para estes casos, enzimas com grande poder de lise (quebra) produzidas no retículo endoplasmático rugoso são envelopadas no complexo de Golgi e formam a organela citoplasmática conhecida como lisossomo.
A função primordial dos lisossomos é formar o vacúolo digestivo através da fusão com o fagossomo, onde os nutrientes da macromolécula ou estrutura fagocitada serão devidamente quebrados e transferidos ao hialoplasma.
O material residual permanece no pequeno vacúolo, agora denominado de excretor, e é eliminado através da clasmocitose.


Como as enzimas lisossômicas são potentes, são também atribuídas a esta organela as renovações de determinadas organelas envelhecidas, como mitocôndrias. Para tanto, o lisossomo sequestra a organela e devolve seus nutrientes à célula, possibilitando que uma nova seja produzida.
Fenômenos como o desaparecimento da cauda dos girinos em seu processo de metamorfose são também atribuídos aos lisossomos, assim como doenças degenerativas, onde destaca-se a silicose.

Dúvidas e sugestões: professorthiagorenno@gmail.com
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário