7 de mai de 2011

ATUALIDADES (001) – CÓDIGO FLORESTAL

Chamamos de Código Florestal um compêndio de normas que determinam quais áreas dos diferentes biomas brasileiros devem ser preservadas, mantendo assim o ciclo das chuvas, os recursos hídricos, a biodiversidade, entre outros fatores que atuam diretamente na qualidade de vida da população.
As discussões acerca do novo Código Florestal vêm gerando polêmica nos últimos meses, presentes até mesmo na última campanha presidencial.
Um grande debate entre os chamados ruralistas – a favor das alterações – e os ambientalistas – contra as alterações – tomou as redes sociais, os corredores do Congresso Nacional, as ONGs e os noticiários.
Os ruralistas alegam que é necessário permitir um maior desmatamento para conversão de áreas de reserva ambiental em áreas agrícolas, pois há risco de escassez de alimentos.
Já os ambientalistas alegam que tais áreas seriam destinadas, principalmente, para cultura de cana-de-açúcar e soja, visando a exportação e não o consumo próprio. Neste caso o interesse dos ruralistas torna-se meramente econômico.
Entre as determinações do Novo Código Florestal, do Dep. Aldo Rebelo (PCdoB – SP) estão:
- a redução de áreas de preservação permanente (APPs);
- permissão do uso de áreas de risco para construções e plantações, como encostas e topos de morros;
- retirada na necessidade da manutenção da reserva legal em pequenas propriedades.
O vídeo abaixo, produzido pela Fundação Boticário, demonstra de forma clara os riscos da aprovação de tais medidas:


Em complemento, o texto da jornalista Miriam Leitão – intitulado “Vereda Torta” – coloca em panos limpos os interesses econômicos por trás do relatório do Dep. Aldo Rebelo e ressalta a necessidade de um consenso entre ruralistas e ambientalistas.


Na opinião deste professor há sim a necessidade de alterações no Código Florestal, mas estas não podem ser tendenciosas.
É importante que o código seja alterado visando políticas de sustentabilidade, que aumentem a preservação dos biomas ao mesmo tempo que permitam as exploração dos recursos naturais.
Uma série de projetos executados no planeta mostra que pode-se unir economia, produção agrícola, políticas públicas e respeito ao meio ambiente e à biodiversidade.
E você? O que pensa sobre esse assunto?


Dúvidas e sugestões: professorthiagorenno@gmail.com

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário